Web Content Viewer
rua – Blog – Cultura Inglesa

Tag: rua

Vem bater um papo com o artista britânico Nick Walker

6 anos atrás ----- Blog

.

nick-waker-no-credit-photo]

.

Curte “street art”? Se a resposta for sim, aqui vai um bela dica pra semana: o artista britânico Nick Walker vem pro Brasil participar do 17º Cultura Inglesa Festival. Com 30 anos de experiência nas ruas, estampando trabalhos em grafite e estêncil, Nick vem contar um pouco mais sobre sua história e como se tornou referência para as gerações de hoje. Por aqui a gente já adiantou o que vem por aí.

O bate-papo acontece às 15h de sábado, 22 de junho, no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, e tem transmissão ao vivo no Facebook da Cultura Inglesa. Quem quiser participar pode mandar perguntas e comentários por lá mesmo. E, para acompanhar pessoalmente, basta retirar o ingresso 1h antes no local – a entrada é gratuita.
.

Sessão especial no interior

Em Campinas, Sorocaba, Santos e São José dos Campos também vai rolar a transmissão da conversa em salas de cinema. Na sequência, tem a exibição do famoso e polêmico filme do artista Banksy, “Exit Through The Gift Shop” (espia o trailer aí embaixo). Curtiu? Então, espalhe a ideia por aí e participe!

.

Olha os desenhos criados no lounge de cultura de rua de Santos!

6 anos atrás ----- Blog

.

Oficina-de-Estêncil---COLANTE

.

Nesse domingo, em Santos, o 17° Cultura Inglesa Festival invadiu o Quebra-mar. Cerca de 1000 pessoas circularam pelo lounge de rua e até São Pedro ajudou. Com o dia ensolarado, a galera da Baixada aproveitou todas as atrações. Teve “live painting” feito por Shesko e por Pesado, música e até oficina de estêncil com o artista Colante.

O resultado dessa arte toda, produzida coletivamente no fim de semana, você confere na exposição do dia 23 de junho, no Memorial da América Latina.

.

Oficina-de-Estêncil---COLANTE

.

E fica ligado porque nos dias 15 e 16 é a vez de Sorocaba e São José dos Campos receberem a invasão britânica. Prepare-se!

A cultura de rua também invade o metrô até o fim de junho!

6 anos atrás ----- Blog

.

Já deu uma passada pelas exposições de cultura de rua do 17° Cultura Inglesa Festival? Veja aqui um roteirinho com o que dá para você ver indo e vindo das estações do metrô: 

 

Vila Madalena (linha verde)

Intitulada “Das Ruas para o Mundo – Culturas Jovens e a Moda”, a exposição traz alguns dos estilos que desfilaram pelas cidades do mundo. Boa parte dos figurinos tem relação com a música: clubber, hipster etc. Por lá, você pode se “enquadrar” em alguns deles e ainda criar o seu próprio modelito numa lousa interativa. 

Vila Madalena

.

Barra Funda (linha Vermelha)

O tema da mostra é a arte urbana. “Arte de Rua. Arte na Rua!” traz um pouco da história do grafite, começando pela origem da técnica, passando pela invenção do spray, até os dias atuais. Fotos e textos explicativos ajudam a compor essa linha do tempo marcada por nomes como Nick Walker, convidado do #17CIF que vem para o Brasil participar de um bate-papo!

Barra-Funda

.

Tatuapé (linha Vermelha)

“Reocupe as ruas!” trata dos movimentos de ocupação do espaço público que ocorreram na Inglaterra e/ou no Brasil. Barraquinhas de feira e placas de sinalização ajudam a compor o cenário. Entre ações apresentadas está o “Occupy”, que surgiu durante a crise financeira de 2011, e é apresentada por meio de imagens e vídeos no telão.

Tatuapé

.

Santa Cecília (linha Vermelha)

Uma instalação feita de skates, banquinhos e até jogo da amarelinha fazem parte da exposição “Diversão nas ruas”. Nos painéis são abordados as principais brincadeiras e esportes que acontecem nas ruas de todos os cantos do planeta. Tem Parkour, bike polo e street hockey, por exemplo.

Santa Cecília

.

Bookcrossing – seu livro viajando o mundo

6 anos atrás ----- Blog

.

bookcrossing---Jorunn-D

.

Nos dias de hoje, graças à internet, é possível baixar livros completos com apenas um clique! Porém, convenhamos, é muito mais emocionante encontrar um exemplar por aí, sem querer, com o bilhete de um desconhecido. Daí, você abre e a mensagem diz que “este livro pertence ao mundo, já passou por vários leitores e que, depois de lido, deve seguir viagem.”

Mais comum do que parece, a prática tem nome: bookcrossing! E é um dos assuntos abordados na exposição do 17º Cultura Inglesa Festival que entra em cartaz a partir de sexta (17 de maio), na estação de metrô Tatuapé.

 

Passa ou repassa?

Tudo começou em 2001, quando Ron Hornbaker estava com sua mulher navegando por um site que rastreia câmeras descartáveis perdidas pelo mundo. Já havia outro endereço que localizava notas de dólar em circulação nos Estados Unidos por seu número de série e era até bastante popular. Foi então que Ron teve um estalo: o que mais as pessoas gostaria de rastrear? Por que não livros?

Foi então que, algumas semanas depois, entrou no ar o famoso www.bookcrossing.com. O endereço alcançou fama: ganhou adeptos, virou pauta em programas e jornais e,em 2004, o termo “bookcrossing” já tinha até lugar reservado no dicionário!

O lance se resume, basicamente, a deixar um livro em local público para que outras pessoas o encontrem, leiam e o repassem novamente. A meta é transformar o mundo em uma grande biblioteca, acessível a todos. E os lugares prediletos dos adeptos da prática, que não se contenta em ver os livros nas convencionais estantes, são bancos de praças, transportes públicos, cafés etc. Pode ser qualquer espaço em que o livro esteja bem guardado e corra o risco de ser achado por alguém.

.

livro-esquecido-no-banco

.

Cadê?

Participar desse tipo de ação é simples e pode ser feito por qualquer um, em qualquer lugar do planeta. A comunidade em torno do bookcrossing se espalhou por aí e alimenta blogs, foruns e convenções anuais em vários países.

Para conseguir rastrear seu exemplar, depois de soltá-lo por aí, basta cadastrar o livro em um dos sites relacionados à prática. No Brasil existem, por exemplo, o BookCrossing Brasil e o Livro Livre. Ah, também é possível deixá-los em “zonas oficiais” – onde os livros são deixados propositalmente, com o consentimento do estabelecimento. ´É o caso do Lunático Café (Rio de Janeiro) e da Casa das Rosas (São Paulo) , entre outros.

Gostou? Estão dá uma passada lá na exposição e descubra outros movimentos que ganharam as ruas do mundo. Para mais informações é só acessar a nossa agenda.

Mais uma novidade deste ano: participe do bike tour gratuito por SP!

6 anos atrás ----- Blog

.

Traffic Lights - Yellow Bike by TheConstructor

.

A bicicleta vem ganhando cada vez mais relevância no espaço urbano. Ativismo político, estilo de vida e opção de transporte são alguns dos motivos que lhe rendem fama e geram polêmica. Por isso, a nossa programação de cultura de rua não estaria completa se não houvesse um bike tour incluso.

Até porque, como você verá aqui no blog, bike tour é também coisa de inglês!

O roteiro (veja no fim do post), montado em parceria com o pessoal do Arte Fora do Museu, acontece no centro de São Paulo e passa por várias obras de arte a céu aberto –murais, praças e edifícios. E, como ajuda nunca é de mais, o passeio também conta com o auxílio do projeto Bike Anjo. Já ouviu falar?

 

O projeto

Formado por ciclistas experientes e voluntários, o grupo ensina e acompanha quem quer começar a pedalar. Sim, eles dão dicas sobre comportamento no trânsito, manutenção da sua bicicleta e outras informações relacionadas ao tema. São pessoas apaixonadas pela atividade e dispostas a tornar a bicicleta uma opção de transporte viável nas grandes cidades.

.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=SFRxgIZOf14[/youtube]

.

Se você ainda não teve coragem de pegar a sua bicicleta e circular por aí veja as orientações no site, participe no grupo e solicite um ”anjo” para chamar de seu. O projeto rola em várias cidades e quem quiser também assumir o posto de orientador, de acordo com as competências aqui descritas.

 

Bike tour do #17CIF

Agora que você já sabe que está em boas mãos, vamos às informações sobre o bike tour do 17° Cultura Inglesa Festival, que acontece no dia 2 de junho (domingo). É necessário ser maior de 16 anos, ou estar acompanhado por um responsável, e fazer inscrição prévia até o dia 31 de maio – veja os detalhes na nossa agenda.

A concentração vai rolar no Largo Santa Cecília a partir das 16h30 e o roteiro começa às 17h. No dia, também é importante usar capacete e sinalizador traseiro na sua bike por questões de segurança. Animado? Você tem pouco mais de um mês para se preparar, hein?

.

 


Exibir mapa ampliado

Nick Walker – das ruas de Bristol para o mundo

6 anos atrás ----- Blog Cultura Inglesa

.

.

Já ouviu falar do britânico Nick Walker? Se você curte street art pode ser que nunca tenha visto esse nome, mas muito provavelmente viu alguma imagem do trabalho desse cara. Isso não apenas porque ele é pioneiro no assunto, mas também porque sua obra fez aparições no filme “De Olhos Bem Fechados”, de Stanley Kubrick, e no clipe “I Gotta Feeling”, do Black Eyed Peas. Se não viu ou não se lembra, dá o play:

.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=uSD4vsh1zDA[/youtube]

.

Nick Walker nasceu em 1969 e faz parte do círculo de artistas de Bristol, que nos 80 ajudaram a espalhar a arte urbana transformando as ruas como espaço de exibição. Hoje, considerado uma grande influência para as gerações seguintes do graffiti, tem no currículo exposições em várias galerias de renome.

Combinando o spray à técnica do estêncil, sua obras mesclam bom humor e uma boa dose de ironia. Agora já consagrado no meio cultural, produz obras para venda, como painéis, por exemplo. Entre as mais valorizadas está a Moona Lisa, a primeira imagem aí embaixo, vendida em 2006 por £ 54.000 (mais ou menos o equivalente a R$ 167.210).

Agora fica esperto, dá uma olhada em algumas das produções do britânico (tem mais aqui no Pinterest) e não perca o bate-papo que vai rolar no Museu da Imagem e do Som (MIS-SP) com ele, no dia 22 de junho.

.

.

.

 

Mona Simpson

.

INSTAGRAM

49 anos atrás
@