Web Content Viewer
Cultura Inglesa Blog - Cultura Inglesa -

Paraisópolis conhece os projetos sociais da Cultura

4 horas atrás ----- Blog

Que a Cultura já está presente em Paraisópolis há anos com o apoio ao Rugby Para Todos você já sabe. E está chegando o dia em que teremos uma unidade inteira dentro da comunidade para ensinar inglês gratuitamente para os moradores! A inauguração será dia 24 de março.

No último dia 13, a Cultura Inglesa realizou no CEU Paraisópolis um encontro aberto à comunidade para que todos pudessem conhecer os projetos sociais e culturais da Associação Cultura Inglesa. O dia ganhou um brilho especial com várias apresentações de parceiros:


“A intenção do encontro foi divulgar a nova filial Cultura Inglesa-Paraisópolis projetada para atender 1000 alunos. Em 2019 realizaremos um piloto para atender 500 bolsistas moradores comunidade de Paraisópolis na nova filial” – explicou a gerente de projetos sociais Mariangela Carocci

As seguintes organizações também estão apoiando a divulgação da nova filial: CEU Paraisópolis, União de Moradores e Comércio de Paraisópolis, Instituto Rugby para Todos, Ballet de Paraisópolis, Programa Einstein na comunidade de Paraisópolis e na escola Alef Peretz.

No encontro foram realizados pré-cadastros para as pessoas que moram em Paraisópolis e têm interesse em cursar inglês. A coordenadora da Filial Paraisópolis, Ana Silvia Puppim, explicou como será o processo de matrícula para os cursos. “A filial Paraisópolis irá entrar em contato para agendar a classificação de nível dos interessados e realizar a matrícula de acordo com a data que consta no pré-cadastro. A prioridade será para os moradores de Paraisópolis. O início das aulas na nova filial Paraisópolis está previsto para início de abril”.

Lily Allen é a atração principal do 23º Cultura Inglesa Festival

4 dias atrás ----- 23CIF Blog Sem categoria

A Cultura traz a artista londrina, uma das mais marcantes do electropop britânico, para ser a headliner britânica do Festival com um show gratuito no Memorial da América Latina! Lily Allen vem ao Brasil com a turnê do seu novo álbum, “No Shame“.

Haverá distribuição prévia e gratuita de ingressos tanto para alunos quanto não alunos (ou seja, o show é aberto a todos). As informações sobre como, quando e onde retirar ingresso chegam em breve aqui no blog e nas redes da Cultura Inglesa. Follow us!

#CulturaInglesaFestival

20 sufixos de rua em inglês

1 semana atrás ----- Sem categoria

Em português temos ‘rua’, ‘avenida’, ‘alameda’, ‘travessa’… Em inglês a lista de street suffixes é enorme! Estas placas abaixo são todas de Londres. Confira após as fotos algumas diferenças entre os termos:

Mews – é uma pequena rua em arco (antigamente usada para entrada de saída de cavalos)
Broadway – como diz o nome, uma rua larga
Lane, Grove e Court – são pequenas ruas residenciais, normalmente sem saída
Close – ruas sem saída
Way – usado para ruas maiores
Hill – usado para, como sugere o nome, ruas com aclive
Avenue – No Reino Unido, ao contrário do português, não designa uma “avenida”, e sim uma rua residencial ou que tenha prédios em ambos os lados
Drive, Place e Vale – ruas residenciais, como “avenue”
Crescent – normalmente usado para ruas curtas que mudam de direção
Alley – uma passagem ou rua estreita

8 palavras que soam melhor em inglês do que em português

1 semana atrás ----- Sem categoria

Sem comparar, mas já comparando 😀 It’s totally subjective, though! Consegue fazer uma lista ao contrário? Para você, qual palavra soa melhor em português?

Em português = Toranja
Em inglês = Grapefruit
Em português = Brotoeja
Em inglês = Prickly Heat
Em português = Chorume
Em inglês = Slurry
Em português = Madrasta
Em inglês = Stepmother
Em português = Mexerica
Em inglês = Mandarin
Em português = Seboso
Em inglês = Greasy
Em português = Sovaco
Em inglês = Armpit
Em português = Umbigo
Em inglês = Belly Button

“An” uniform ou “a” uniform? A regra do artigo indefinido

2 semanas atrás ----- Sem categoria

Já ouviu falar que usamos o artigo indefinido “an” na frente de palavras que começam com vogais e o artigo “a” na frente de palavras que começam com consoantes? Pois não é bem assim!

O que importa é o som de vogal, não a vogal em si. Veja:

Dizemos:
– An hour
mas:
– A history

Ambas as palavras começam com a consoante H, mas:
– Em hour o “H” é mudo, portanto o som inicial da palavra é “ou” (lê-se “au”, em português). Assim, usamos o artigo indefinido “an”: an hour
– Em history o “H” é pronunciado, portanto a palavra começa de fato com o som da consoante. Assim, o correto é o uso do artigo “a”: a history. Um caso à parte com “H” é a palavra “herb”:

No inglês americano é:
An herb (porque o “H’ é mudo)
No inglês britânico o correto é:
– A herb (porque o “H” é pronunciado)

Com vogais, acontece o mesmo. Dizemos:
– An umbrella
– An undertaking
mas:
– A universe
– A uniform

Como umbrella começa com som de “U”, o correto é “a”: a umbrella. Mas uniform tem som de “Y” (“yuniform”)! O mesmo acontece com utensil, university e unique, por exemplo. Há também esta diferença com a as vogais O e E:

– An egg
– A European

Egg tem som de “E” mesmo, mas com European acontece o mesmo que com uniform“: o som inicial é de “Y”.

– An orange
– A one-off

One começa com som da consoante “W”, portanto usamos o artigo indefinido “a” na frente de one-off, one-dimensional, one-handed, etc

Got it? 😉

Escola britânica em SP abre inscrições para bolsa de estudos

2 semanas atrás ----- Sem categoria

Com mais de 90 anos em São Paulo, a escola britânica St. Paul’s recebe alunos de 3 a 18 anos e foi a primeira na América Latina a ser reconhecida como British School Overseas. A St. Paul’s agrega as culturas e línguas inglesa e brasileira e, ao deixarem a escola, a maior parte dos alunos vai às melhores universidades do Brasil e do mundo.

A Fundação St. Paul’s, organização que seleciona e prepara estudantes talentosos para concluir seus estudos na escola internacional britânica St. Paul’s, acaba de abrir as inscrições para o seu Programa de Bolsa Integral de Estudos. São duas vagas por ano para ajudar estudantes de 11 a 15 anos a acessarem os benefícios de uma educação internacional.

Por que a St. Paul’s é diferente?

  • É uma escola internacional, com instalações de excelência e currículo inovador (IB Diploma Programme).
  • Excelente corpo docente e estrutura de Pastoral Care, apoiando os alunos no seu bem-estar.
  • Formação holística.
  • Cultura de digital learning inserida no currículo – a St. Paul’s é uma Microsoft Showcase School e Apple Distinguished School.

Como funciona o Programa de Bolsas de Estudos?

Com a ajuda de organizações parceiras, o Programa de Bolsas de Estudos da Fundação St. Paul’s seleciona e prepara alunos com excelente histórico escolar (e que atendam aos critérios de seleção) para concorrerem a duas bolsas integrais de estudos na escola St. Paul’s. O benefício inclui todos os custos relacionados ao dia a dia escolar do aluno (transporte, materiais escolares, alimentação).

Quais são os critérios de seleção?

  • Ter entre 11 e 15 anos de idade;
  • Estar matriculado em 2019 em escola pública ou privada;
  • Ter renda familiar bruta de até dois salários mínimos por pessoa da família;
  • Não ter reprovação no histórico escolar;
  • Ter conhecimento da língua inglesa;
  • Talento especial em música, artes, teatro ou esportes é uma vantagem;
  • Morar em São Paulo, a uma distância de até uma hora e meia da escola St. Paul’s;
  • Ter atitude, determinação e comprometimento com seus estudos, para aproveitar os benefícios do programa de bolsa de estudos.

Processo seletivo
Os inscrições vão até o dia 31 de março de 2019 e os alunos selecionados começam seus estudos na St. Paul’s em agosto de 2020. O processo seletivo tem 5 etapas consecutivas, que acontecem de fevereiro de 2019 a junho de 2020:

Inscrições

As inscrições devem ser feitas por meio do site:
www.fundacaostpauls.org.br

Data limite para se inscrever: 31/03/2019

Dúvidas sobre a bolsa? Mande um e-mail para: contato@fundacaostpauls.org.br


Como paquerar em inglês

3 semanas atrás ----- Sem categoria

How you doin’” só funciona no Friends! Veja as palavras-chave sobre o tema e algumas expressões para flertar com seu paquera gringo na vida real:

Glossário

Paquerar = To flirt
Xavecar = To chat up
Xaveco = Pick-up line
Dar em cima de alguém = To hit on someone
Trocar olhares = To make eye contact / To make eyes at
Chamar para sair = To ask out
Levar um fora = To be turned down
Levar um pé = To be dumped
Levar um bolo = To be stood up
Dar amassos = To make out
Solteiro/a = Single
Estar em um relacionamento = To be in a relationship
Estar afim de alguém = To be into someone
Ter uma queda por alguém = To have a crush on someone
Se fazer de difícil = Play hard to get
Muita areia para o meu caminhãozinho = Way out of my league

Dicas de frases

I love your _____ (costume, colour of your eyes, smile, etc)
Eu adorei o/a seu/sua___ (fantasia, cor dos olhos, sorriso, etc)

Are you on Instagram?
Você tem Instagram?

Are you here often?
Você vem sempre aqui? (Alguém ainda diz isso? 😂)

Has anyone ever told you that ____
Alguém já te disse que ___

Are you always cute like this?
Você é sempre fofo/a assim?

Do you believe in love at first sight?
Você acredita em amor à primeira vista?

Can I get your number?
Poderia me dar seu telefone?

Are you seeing someone?
Você está ficando/saindo com alguém?

Existe um site que reúne mais de 900 ideias de xaveco em inglês! Dê uma olhada lá

Ou, se você for muito tímido para fazer a aproximação, peça para o seu wing-man (aquele amigo ou amiga que faz o meio de campo) 😉

Valentine’s Day x Dia dos Namorados

1 mês atrás ----- Sem categoria

Por que os ingleses, americanos, australianos e toda a Europa (inclusive Portugal) comemoram o dia dos namorados no dia de São Valentim em 14 de fevereiro? E por que no Brasil a data é celebrada em 12 de junho?

St. Valentine’s

Comecemos com a história do Valentim. O Valentim era um padre que viveu em Roma no séc. III. Ele foi preso porque pregava para cristãos perseguidos pelo Império Romano (o que era proibido) e casava soldados (o que também era proibido).

Reza a lenda que durante a prisão, ele operou um milagre: fez com que a filha do juiz que o condenou voltasse a enxergar. E antes de ser executado, no dia 14 de fevereiro, ele mandou para ela uma carta de despedida – e assinou “Seu Valentim” (oinnn!!).

Tudo indicava que ele estava apaixonado 💘. Valentim foi beatificado e o Papa estabeleceu já no ano 496 que 14 de fevereiro seria o dia de celebrar São Valentim – mas a data ainda nada tinha a ver com namorados.

Foi apenas no séc. XIV, por culpa dos britânicos, que o dia foi associado ao amor romântico! Acredita-se que tudo começou no círculo social do pai da literatura inglesa, Geoffrey Chaucer. Foi nesta época que se popularizaram os casos de amor nas cortes e castelos (entre o cavaleiro e a princesa, etc – as histórias que vemos hoje em dia nos contos de fada!).

Na Europa do séc. XVIII (há 300 anos, portanto) o 14 de fevereiro se transformou de vez no dia dos namorados. Os pombinhos trocavam já flores, doces e cartões amorosos (“valentines“, como até hoje são chamados em inglês).

Os restos de St. Valentine em uma igreja de Roma

Santo Antônio

No Brasil, o dia dos namorados é, digamos, menos romântico. Embora também tenha a ver com um santo católico, 12 de junho é uma invenção do finado publicitário João Dória (o pai do político). Inspirado no Valentine’s Day, ele sugeriu a comerciantes paulistas em 1949 que usassem a véspera do dia do santo casamenteiro (Santo Antônio de Lisboa) para promover o dia dos namorados à brasileira. Os comerciantes curtiram a ideia e lançaram o slogan “não é só com beijos que se prova o amor”. A data pegou e o resto é história.

14 de fevereiro ou 12 de junho, todo dia é o dia de celebrar o amor, não? Happy Valentine’s Day!

Como usar o apóstrofo nos possessivos

1 mês atrás ----- Sem categoria

Qual é placa do metrô acima está correta? As regras do apóstrofo nos possessivos são bem fáceis. Veja:

1) Regra geral

Para a maioria dos substantivos, use: “apóstrofe + s”

The woman’s voice
The box’s sides
Stanley Kubrick’s movies


2) Possessivos nos substantivos plurais que não terminam em “S”

Use a mesma regra acima:

The women’s voice
The children’s toys
The mice’s disease


3) Possessivos em plurais que terminam com “S”

Use APENAS o apóstrofo (não acrescentar mais um “s”!):

My friends’ wedding
The boxes’ sides
The actresses’ role
s


4) Possessivos em nomes que terminam com “S”

Aqui é onde mora a polêmica! No caso do metrô de Londres (imagem acima), a estação da foto se chamava St James’ Park até 1920, depois, porém, todas as placas foram gradualmente trocadas para St. James’s Park. Havia uma tendência de usar “apóstrofo + s” em nomes de pessoas. Mas gramaticalmente, ambas estão corretas! Veja os exemplos:

My boss’s problems / My boss’ problems
Dickens’s characters / Dickens’ characters
Jess’s songs / Jess’ songs
Texas’ citizens / Texas’s citizens

St. James’ Park / St. James’s Park

Isto aqui mostra que ambas as formas são mesmo aceitas! Embora Londres tenha acrescentado um “s” no nome da estação do metrô, o nome do estádio do Newcastle, um tradicional time da Inglaterra, manteve um “s” só

IMPORTANTE: Nomes de família no plural não ganham um “s” extra! Ex.:
The Joneses’ house
The Smiths’ albums

DICA: Prefira a forma que for mais fácil para você pronunciar! (ex.: a pronúncia do possessivo em “boss’s problems” é mais clara do que em “boss’ problems”. Por outro lado, é mais comum o uso de Texas’ do que Texas’s). O mais importante é ser consistente: quando escrever um texto, escolha e use apenas um dos jeitos


6) Substantivos compostos

Use o apóstrofo + s apenas no último nome:

João and Maria’s story
Obama and Biden’s administration
My mother-in-law’s cake

Importante: quando a frase tem um pronome entre os possessivos, a construção é:
My husband’s and my home


5) Não confunda as contrações com os pronomes possessivos

Eles têm sonoridades parecidas, mas na escrita eles são bem diferentes! Veja:

You’re an amazing actress (você é uma atriz incrível)
Your acting is amazing (a sua atuação é incrível)

E quando a posse é de um objeto inanimado, não é necessário usar o apóstrofe:
The maid cleaned the hotel lobby
Please, shut the bedroom door
The beginning of the class was the best part

Verdadeiro ou falso? 5 mitos sobre aprender inglês

1 mês atrás ----- Sem categoria

1) Criança aprende mais rápido

Rubens Heredia, gerente acadêmico da Cultura Inglesa, conta nesta entrevista que na prática a afirmação é lenda urbana. O assunto é controverso, há teóricos que defendem a existência de um “período crítico” de aprendizagem no nosso cérebro. Mas fato é que – segundo muitos estudos sobre o tema – em muitos aspectos são os adultos que na verdade aprendem uma segunda língua mais rápido! Por que, então, temos a impressão de que os pequenos são mais ligeiros?

Basicamente, porque o vocabulário das crianças é menor e exige menos complexidade do que o de um adulto – por isso a impressão de que eles atingem fluência mais rápido. Além disso, criança tem normalmente mais tempo para se dedicar ao aprendizado e é menos self-conscious – tem menos vergonha de se expor, por exemplo, o que pode ajudar na conversação.

O mito é verdade, porém, em um quesito: pronúncia. Por uma questão fisiológica, crianças têm mais facilidade em diferenciar e reproduzir novos sons (por isso que quem muda ainda criança para outro país costuma não ter sotaque quando cresce).

Este paper da Universidade da Califórnia destrincha o mito em detalhes. Ser adulto não é desculpa para não aprender inglês!

2) Professores nativo é melhor

Mito dos brabos! Como diz David Crystal, um dos papas do ensino do inglês no mundo: “‘All sorts of people are fluent, but only a tiny proportion of them are sufficiently aware of the structure of the language that they know how to teach it”.

Você sabe falar português perfeitamente, mas será que você seria um bom professor? O fato de um falante nativo dominar seu idioma não significa que ele tem qualificação para ensinar este idioma para outras pessoas, ou que ele sabe identificar e superar as dificuldades dos não-nativos.

3) Aprender de verdade, só morando fora

A grande vantagem de se morar no Reino Unido, EUA ou outro país falante do inglês é o tempo de exposição e as diferentes situações nas quais você vai precisar usar, absorver e se virar com o idioma. É sempre mais efetivo aprender vocabulário, por exemplo, dentro de um contexto! Mas com os métodos modernos de ensino e a fantástica internet, é perfeitamente possível aprender inglês eficazmente mesmo morando numa ilha deserta. Além disso, tem gente que mora há anos fora e ainda não fala inglês, e vice-versa 😉

4) É preciso perder o sotaque para falar direito

Muita calma nessa hora! Falar inglês com sotaque não quer dizer falar “pior” ou “menos fluente” – quer dizer apenas falar com sotaque. É parte da personalidade de cada um. E, pense bem, todo mundo tem sotaque de algum lugar, principalmente os britânicos (lá o sotaque muda mais ou menos a cada 50km!). O importante, portanto, não é o sotaque e sim a pronúncia

5) Tem gente que não leva jeito

Mesmo na própria língua nativa, a gente aprende sem perceber algo novo todo dia – não há razão para imaginar que o cérebro não vai saber lidar com o aprendizado de outro idioma 😆 (veja o que dizem os neurocientistas de Cambridge).

Tem gente que é mais tímida para conversar, ou tem mais vergonha na hora de cometer erros, tem gente que tem um ouvido mais apurado, ou já fala outras línguas e consequentemente tem atalhos para aprender mais uma… mas com a devida dedicação, todo mundo leva jeito

Perguntas? Deixe nos comentários!

Saiba mais sobre a Cultura Inglesa

INSTAGRAM

49 anos atrás
@