Web Content Viewer
Cultura Inglesa música no parque – Blog – Cultura Inglesa

Tag: música no parque

Gang of Four deve voltar ao Brasil este ano

6 anos atrás ----- Blog

Segundo o guitarrista Andy Gill e o baixista Thomas McNeice, o Gang of Four deve voltar ao Brasil em outubro ou novembro deste ano!

Eles ainda não sabem detalhes sobre o show do próximo semestre, mas já estão animados para voltar porque a apresentação no 15º Cultura Inglesa Festival foi eletrizante.

A dupla revelou que a banda volta para se apresentar ao vivo novamente e para ficar um tempinho a mais para poder conhecer melhor o país.

“Em 2006, fui andar a cavalo nos Lençóis Maranhenses com minha mulher, foi incrível. Quero explorar mais coisas assim”, diz Andy Gill.

.
Saiba mais

✰ Nos bastidores, guitarrista do Gang of Four revela livro da banda e aposta polêmica com a mulher

As fotos dos vencedores do God Save the Click

6 anos atrás ----- Blog

.
Os ganhadores do concurso God Save the Click estreiaram suas novas lomos com muita classe: nos bastidores do Música no Parque.

Leandro França (dono da foto acima) e José Roberto Salinas (que deu o clique abaixo) encontraram os ângulos mais inusitados para fotografar as bandas do 15CIF (durante e depois dos shows) e o público que encheu o Parque da Independência. Já colocamos no nosso Facebook todas essas fotos: vejam!

.

O olhar feroz que não perdoa nem os Beatles

6 anos atrás ----- Blog

A imprensa britânica, sem dúvidas, é parte forte da cultura da nossa ilha predileta. E não estamos falando só dos tablóides e seus escândalos de arrepiar os cabelos: a diversão mesmo está nas críticas e resenhas musicais.

Dentre os vários veículos que cobriram a vanguarda da música pop, destacavam-se o Melody Maker e o New Musical Express – ambos acabaram por se juntar em 2000, fruto da briga voraz dos publishers ingleses e da disseminação do fabuloso advento da internet.

Se o senso de humor mordaz faz parte do “ser inglês”, não poderia deixar de ser diferente com as críticas dos álbuns. Alan Smith, um dos papas do jornalismo musical britânico, em 1968, intitulou sua resenha do White Album dos Beatles como “The Brilliant, the Bad, and the Ugly” – não perdoou John Lennon e sua Revolution #9, classificando-a como “exemplo pretensioso de imaturidade idiota”. Tenso, não?

E não era só os Fab Four que a imprensa malhava. No documentário It Might Get Loud, de Davis Guggenheim, a lenda viva Jimmy Page mostra seu descontentamento ao dizer que a crítica não entendia o som da banda, principalmente depois de darem uma resenha de um parágrafo para o disco IV – sim, o disco que tem Black Dog, Starway To Heaven e Rock N Roll. Um parágrafo!

[youtube width=”650″ height=”325″]http://www.youtube.com/watch?v=owmrpWyTdxQ [/youtube]

De qualquer forma, os registros estão todos aí e valem um bocado de diversão procurar o que a crítica falou do seu álbum favorito da sua banda predileta – mesmo que seja apenas pra ficar com aquela raivinha na ponta do estômago, sabe? Como assim um parágrafo para o disco IV?!

O livro Beijar o Céu, do jornalista Simon Reynolds, com seus textos da época de editor do Melody Maker e repórter da NME, entre outros veículos, conta muito dessas histórias. Esta à venda no Brasil, vale a pena!

 

Bastidores 15CIF – Andy Gill pelado na Tower Bridge?

6 anos atrás ----- Blog

O Gang of Four desembarcou no Brasil no sábado, um dia antes do show no 15º Cultura Inglesa Festival, e foi direto para a passagem de som no Parque da Independência.

Andy Gill, o guitarrista da banda, não ficou nem um pouco contente com essa história.

Conforme ele bem anunciou em seu Twitter, a passagem de som era na mesma hora da grande final da Champions League. E ele é torcedor fanático do Manchester!

Enquanto a banda passava o som, o pessoal da técnica tentava botar o jogo no telão do palco.

A passagem de som acabou sendo rápida, e a banda saiu correndo do Parque atrás de uma tevê. Saíram um minuto antes do pessoal da técnica finalmente ter conseguido botar o jogo no telão…

Lei de Murphy, mas enfim, Andy e seus companheiros (Jon King é torcedor do Arsenal, e os outros dois não são muito fãs de futebol) correram para algum bar no centro de São Paulo. Acabaram parando no Prainha, numa travessa da Av. Paulista.

Viram o jogo em mesas separadas porque o bar estava cheio.

Eles chegaram no intervalo no jogo e, para desespero do guitarrista, o Machester foi trucidado no segundo tempo.

No domingo, após o show, Andy estava ainda frustrado. Com uma taça de vinho na mão, disse que o time se assustou e acabou merecendo o baile que levou, mas não se conformava com a apatia do seu time.

Reclamou do técnico Alex Ferguson, que demorou a botar Scholes no time, e elogiou o meio-campista brasileiro Anderson.

E, depois de terminar o vinho, revelou uma aposta polêmica.

Andy contou que sua ex-mulher é torcedora do Shalke 04 da Alemanha, time que enfrentou o Manchester na semi-final.

Antes do primeiro jogo do confronto, ela mandou um email para ele desafiando: “Se o Shalke ganhar, você vai ter que andar pelado na Tower Bridge!”.

O guitarrista do Gang of Four não só aceitou, como tuitou a aposta. Sua ex-mulher ficou furiosa. “Como você põe no Twitter uma aposta privada dessas? Eu estava falando sério!”.

Bom, o Shalke não bateu o Manchester e Andy escapou do embaraço (ou será que ele daria uma de Renato Gaúcho?) e acabou ficando tudo bem entre o ex-casal. Agora, a questão que atormenta o guitarrista agora é: será que Alex Ferguson vai deixar o time? Como a torcida adora o técnico, ele aposta que não. Mas o que será que ele vai apostar??

Glen Matlock, o turista

6 anos atrás ----- Blog

Depois de discotecar no Beco no último sábado, o sex pistol Glen Matlock não ficou parado enquanto estava aqui em São Paulo. Com Supla como cicerone, o cara queria registrar tudo o que via pela frente.

“Que horas fecha o museu? Quero ir lá”, disse ele, ao saber o que tinha para ver no Museu do Ipiranga.

Ao saber que o museu fechava às 17h, relaxou e assistiu atentamente ao show do Blood Red Shoes, que começou às 15h30. Já o show do Gang of Four ele gravou inteirinho com seu celular direto do backstage!

No intervalo entre um show e outro, atendeu aos fãs com simpatia e curiosidade. E fez questão de tirar fotos de todo mundo que queria tirar foto com ele!

Nesta segunda, o ex-baixista do Sex Pistols continuou seu turismo pelas terras brasileiras. Ele foi para Paraty junto com o Supla.

“É minha terceira vez no Brasil, mas sempre quero conhecer mais. Aqui é demais”, nos contou Glen.
.

 

O vocalista do Gang of Four também tirou fotos do show!

6 anos atrás ----- Blog

.
Essa foto que parece capa de disco foi tirada domingo no Música no Parque! São os caras que, algumas horas depois, deixariam um pouco mais de história no Ipiranga. A foto está no flickr de Jon King, o vocalista do Gang of Four. Lá tem fotos também dos bastidores e até do quarto do hotel em que a banda ficou: veja!

A banda adorou o show e o parque. E estavam empolgados em saber que tocariam no mesmo lugar em que a independência do Brasil foi proclamada!

E o Gang of Four quebrou tudo mesmo

6 anos atrás ----- Blog

.
O show tinha acabado? Mas nem “Damaged Goods”, nem “He’d Send In The Army” tinham dado as caras ainda no show arrebatador do Gang Of Four… “Anthrax” já tinha passado e nada de bloco de madeira, ou microondas sendo malhado como era de costume nas outras turnês da banda.

Muitos aplausos, a banda sai – volta pro bis? Volta!

E, junto com a banda, volta, no canto esquerdo do palco, um microondas com luzes dentro e um microfone em cima. Ao lado, Jon King, já com todos os botões abertos da camisa estilo soviético, munido de um bastão de beisebol.

E é ele quem puxa o começo de “He’d Send In The Army”, como eles haviam feito em “Urgh – A Music War”, mas ali, ao vivo, na nossa fuça!
.

O som grave do bastão esmerilhando o microondas no tempo correto de percussão inusitada, enquanto o grandalhão Jon King cantava o resto da música e castigava o seu inimigo de metal – tudo isso deixava a noite fria daquele domingo intensa, com aquele jeitão de noite única.

Ao final da pancadaria, enquanto a banda ainda detonava os acordes da música, King pegou e jogou o microondas do palco, para liquidá-lo de vez, fazendo a galera presente no Parque da Independência ir ao delírio.

Depois disso, só Damaged Goods mesmo pra manter o nível da empolgação.

Vida longa ao Gang of Four!

A imprensa também curtiu o domingo no Parque

6 anos atrás ----- Blog


.
O domingo no Parque da Independência foi histórico. Reunimos aqui o que a mídia falou para você saber como foi. Se você estava lá, aproveite para relembrar e descobrir os detalhes que te escaparam aos olhos!

 

Os shows do Miles Kane e do Gang of Four não passaram batidos pelo pessoal da maior publicação de rock.

.

O portal deu destaque para o incendiário show do Gang of Four, mas não deixou de comentar a apresentação do Blood Red Shoes, “que fez maravilhas com sua minimalista formação de bateria e guitarra”.

.

O pessoal do Terra prestou atenção ao “rock arrumadinho” do Miles Kane e à apresentação radical do Gang of Four. Mas, para eles, nada disso superou o show da própria plateia!

.

Eles não pararam de tirar fotos. Dê uma olhada e relembre!

.

O blogueiro Micael Delga não escondeu a satisfação de encontrar um evento gratuito e bem feito aqui em São Paulo.
.

Alexandre Matias, blogueiro e curador do Música no Parque do #15CIF, postou vídeos que ele mesmo fez no backstage do Festival.

 

Gang of Four

6 anos atrás ----- Sem categoria

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=ICWujV_rI6c[/youtube]

“The change will do you good. I always knew it would!”

Depois de anos sem compor material novo – o disco Return the Gift, de 2005, era composto de regravações de antigos hits da banda – o histórico grupo de Andy Gill volta ao Brasil com o inédito Content.

A primeira (e, até então, única) visita do Gang of Four ao Brasil foi em 2006. Os shows que aconteceram em São Paulo, Floripa e BH ainda não saem da memória de quem estava lá.

Formado em Leeds, em 1977, pelos amigos Andy Gill (guitarra), Jon King (vocal), Mark Heaney (bateria) e Thomas McNeice, o Gang of Four surgiu na onda musical que apareceu na Inglaterra depois do punk rock, misturando black music, letras inflamadas (resquícios do punk) e guitarras afiadíssimas!

Primando pela crítica social nas suas letras, a banda tocou até 1984, quando resolveu encerrar as atividades.
Mas em 2004, ano em que as bandas Bloc Party, Gossip e Rapture estouravam e louvavam as influências do Gang of Four, o quarteto de Leeds voltou à ativa!

E voltou com tudo. O show da turnê nova no Parque da Independência promete ser inesquecível.
.

Saiba + sobre o Gang of Four

Site oficial
Facebook
Twitter
Vídeos
MySpace

.

Classificação: livre

IMPORTANTE

Informamos que é proibida a entrada com materiais cortantes, perfurantes ou pontiagudos, copos de vidro, objetos de malabares, guarda-chuvas, latas de todas as naturezas, garrafas plásticas superiores a 500 ml, bebidas alcoólicas, e quaisquer outros itens que possam comprometer a segurança do público ou que sejam incompatíveis com os propósitos deste evento.

O Parque da Independência é um Patrimônio Histórico, colabore com a sua preservação e aproveite os shows do domingo!