Web Content Viewer
Cultura Inglesa literatura – Blog – Cultura Inglesa

Tag: literatura

JK Rowling: 10 lições sobre o fracasso tiradas de seu livro novo

2 anos atrás ----- Blog

#

O livro novo de JK Rowling, chamado Very Good Lives: The Fringe Benefits of Failure And Importance of Imagination, é nada mais, nada menos que o empolgante discurso de formatura que ela deu na Universidade de Harvard em 2008.

Enquanto a obra não sai (o lançamento está marcado para 14 de abril), o jornal inglês The Guardian compilou as frases mais fortes do discurso – listadas abaixo! Se não entender alguma passagem, deixe sua dúvida nos comentários 😉

JK Rowling recentemente revelou que Harry Potter foi rejeitado por alguns agentes literários antes de ser publicado e virar sucesso absoluto, numa época em que ela estava completamente lisa de dinheiro. Ou seja, fracasso e imaginação são assuntos que ela conhece:

Sobre os benefícios do fracasso

There is an expiry date on blaming your parents for steering you in the wrong direction; the moment you are old enough to take the wheel, responsibility lies with you.

I am not dull enough to suppose that because you are young, gifted and well-educated, you have never known hardship or heartbreak. Talent and intelligence never yet inoculated anyone against the caprice of the Fates.

I am not going to stand here and tell you that failure is fun. That period of my life was a dark one, and I had no idea that there was going to be what the press has since represented as a kind of fairy tale resolution.

Failure meant a stripping away of the inessential. I stopped pretending to myself that I was anything other than what I was, and began to direct all my energy into finishing the only work that mattered to me. Had I really succeeded at anything else, I might never have found the determination to succeed in the one arena I believed I truly belonged.

 

Sobre o poder da imaginação e da empatia

 

.

Many prefer not to exercise their imaginations at all. They choose to remain comfortably within the bounds of their own experience, never troubling to wonder how it would feel to have been born other than they are.

We do not need magic to change the world, we carry all the power we need inside ourselves already: we have the power to imagine better.

Those who choose not to empathise enable real monsters. For without ever committing an act of outright evil ourselves, we collude with it, through our own apathy.

Every day of my working week in my early 20s I was reminded how incredibly fortunate I was, to live in a country with a democratically elected government, where legal representation and a public trial were the rights of everyone.

One of the many things I learned at the end of that Classics corridor down which I ventured at the age of 18, in search of something I could not then define, was this, written by the Greek author Plutarch: ‘What we achieve inwardly will change outer reality.’ That is an astonishing statement and yet proven a thousand times every day of our lives. It expresses, in part, our inescapable connection with the outside world, the fact that we touch other people’s lives simply by existing.

As is a tale, so is life: not how long it is, but how good it is, is what matters.

 

Saiba mais sobre o livro no site. A receita das vendas serão revertidas para duas instituições de caridade.

 

“No Mundo de Arthur” será peça de teatro infantil do Festival inspirada no criador de Sherlock Holmes

3 anos atrás ----- Cultura Inglesa

sherlock_holmes

.

Espetáculo teatral para crianças inspirado na obra de Arthur Conan Doyle e encenado pelo Núcleo Arte Ciência no Palco, da Cooperativa Paulista de Teatro, foi um dos vencedores do Edital do #18CIF e estreia no Festival deste ano.

Por que assistir: O famoso escritor Arthur Conan Doyle, autor dos livros de Sherlock Holmes, nutria um interesse extremo pelo teatro e por espetáculos de mágica cultivando uma longa amizade com o mágico Houdini. Essa relação inspirou o diretor Carlos Palma a criar a história desta peça. A rivalidade entre as ilusionistas Houdina e Houdinéia a respeito de quem tem os melhores truques é o que inicia a trama: atrapalhando-se em suas mágicas, as duas acabam se transformando em personagens da obra de Conan Doyle.  O espetáculo propõe a participação da plateia para que desvendem um mistério junto das protagonistas, circulando entre truques de mágica e viagens pela vasta obra do inglês que dá título à peça.

Em destaque: A cenografia do espetáculo, projetada pelo vencedor dos prêmios Coca-Cola / Femsa e APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor cenografia, Carlos Palma. Uma cortina de fundo especial, formada por letras do alfabeto impressas e dispostas aleatoriamente, é planejada para o palco, tornando-se parte essencial da história. Os personagens, que entram e saem dessa “cortina de letras”, passam a impressão de fazer, de fato, parte de um mundo literário.

Quem faz: Dramaturgia, direção e cenografia: Carlos Palma; Atores: Rogerio Romera, Adriana Dham, Monika Plöger; Figurino: Carlos Colabone; Trilha sonora: Sergio Yamamoto e Tato Ficher; Iluminação: Gisele Scudelio Jorgetti; Administração e produção: Núcleo Arte Ciência no Palco da Cooperativa Paulista de Teatro.

Onde e quando? Mais informações em breve! Acompanhe nosso Facebook e Twitter.

TOP 5 – Frases de Oscar Wilde

4 anos atrás ----- Blog Top 5

.
Oscar Wilde

 

Um dos maiores nomes da literatura da língua inglesa faria 159 anos nesta quarta-feira!

Oscar Wilde segue vivoUma das principais celebridades de seu tempo, o escritor irlandês ganhou notoriedade por seus poemas e peças, além de seu único (e incrível) romance, “O Retrato de Dorian Gray”.

Um defensor inconteste do belo e da arte como oposição ao mundo em processo de industrialização, Wilde era também conhecido pela sua profunda ironia, quase que definindo um estilo britânico de criticar a sociedade. 

Em homenagem a este irlandês que morreu aos 46 anos depois de ser preso por cometer “obscenidades” com outros homens (vê se pode?), eis o nosso TOP 5 – Frases de Oscar Wilde:

   

Top5  “But what is the difference between literature and journalism? …Journalism is unreadable and literature is not read. That is all.” The Critic as Artist, 1891

 

Top4 “To get back my youth I would do anything in the world, except take exercise, get up early, or be respectable.” The Picture of Dorian Gray, 1891

 

Top3 “Gossip is charming! History is merely gossip. But scandal is gossip made tedious by morality.” Lady Windermere’s Fan, 1892

 

Top2 “There is no such thing as a moral or an immoral book. Books are well written or badly written.” The Picture of Dorian Gray, 1891

 

Top1 “We are all in the gutter, but some of us are looking at the stars.” Lady Windermere’s Fan, 1892

 

.
Curtiu? Tem mais abaixo e aqui. Wilde tem centenas de aforismos incríveis, se faltou algum que você gosta, inclua nos comentários!

E se liga nesse vídeo também do Abujamra declamando um dos mais famosos textos do escritor:

 

Mais frases do Wilde

“No man is rich enough to buy back his past.”

“Good resolutions are simply checks that men draw on a bank where they have no account.”

“Men become old, but they never become good.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“I delight in men over seventy, they always offer one the devotion of a lifetime. “
— “A Woman of No Importance”

“How many men there are in modern life who would like to see their past burning to white ashes before them!”
— “An Ideal Husband”

“A man who moralizes is usually a hypocrite, and a woman who moralizes is invariably plain.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“Nowadays all the married men live like bachelors and all the bachelors live like married men.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“I don’t like compliments, and I don’t see why a man should think he is pleasing a woman enormously when he says to her a whole heap of things that he doesn’t mean.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“One should never trust a woman who tells one her real age. A woman who would tell one that, would tell one anything.”
— “A Woman of No Importance”

“Crying is the refuge of plain women but the ruin of pretty ones.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“Men know life too early. Women know life too late. That is the difference between men and women.”
— “A Woman of No Importance”

“Women are meant to be loved, not to be understood.”
— “The Sphinx Without a Secret”

“It takes a thoroughly good woman to do a thoroughly stupid thing.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“I don’t know that women are always rewarded for being charming. I think they are usually punished for it!”
— “An Ideal Husband”

“I don’t think there is a woman in the world who would not be a little flattered if one made love to her. It is that which makes women so irresistibly adorable.”
— “A Woman of No Importance”

“My dear young lady, there was a great deal of truth, I dare say, in what you said, and you looked very pretty while you said it, which is much more important.”
— “A Woman of No Importance”

“Women give to men the very gold of their lives. But they invariably want it back in such very small change.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“I am sick of women who love one. Women who hate one are much more interesting.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“I prefer women with a past. They’re always so damned amusing to talk to.”
— “Lady Windermere’s Fan”

“People who count their chickens before they are hatched, act very wisely, because chickens run about so absurdly that it is impossible to count them accurately.”
— Letter from Paris, dated May 1900

“The more one analyses people, the more all reasons for analysis disappear. Sooner of later one comes to that dreadful universal thing called human nature.”
— “The Decay of Lying”

“The public have an insatiable curiosity to know everything, except what is worth knowing.”
— “The Soul of Man Under Socialism”

“Most men and women are forced to perform parts for which they have no qualification.”
— “Lord Arthur Savile’s Crime”

“It is perfectly monstrous the way people go about, nowadays, saying things against one behind one’s back that are absolutely and entirely true.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“Life is much too important a thing ever to talk seriously about it.”
— Lady Windermere’s Fan, 1892, Act I

“The Book of Life begins with a man and woman in a garden. It ends with Revelations.”
— “A Woman of No Importance”

“Life is never fair…And perhaps it is a good thing for most of us that it is not.”
— “An Ideal Husband”

“You must not find symbols in everything you see. It makes life impossible.”
— “Salome”

“We are each our own devil, and we make this world our hell.”
— “The Duchess of Padua”

“The world is a stage, but the play is badly cast.”
— “Lord Arthur Savile’s Crime”

“Nothing spoils a romance so much as a sense of humor in the woman – or the want of it in the man.”
— “A Woman of No Importance”

“One should always be in love. That is the reason one should never marry.”
— “A Woman of No Importance”

“To love oneself is the beginning of a life-long romance.”
— “An Ideal Husband”

“A kiss may ruin a human life.”
— “A Woman of No Importance”

“A man can be happy with any woman as long as he does not love her.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“Young men want to be faithful and are not; old men want to be faithless and cannot.”
— “The Picture of Dorian Gray”

“Faithfulness is to the emotional life what consistency is to the life of the intellect – simply a confession of failures.”
— “The Picture of Dorian Gray”

(fonte)

O olhar feroz que não perdoa nem os Beatles

6 anos atrás ----- Blog

A imprensa britânica, sem dúvidas, é parte forte da cultura da nossa ilha predileta. E não estamos falando só dos tablóides e seus escândalos de arrepiar os cabelos: a diversão mesmo está nas críticas e resenhas musicais.

Dentre os vários veículos que cobriram a vanguarda da música pop, destacavam-se o Melody Maker e o New Musical Express – ambos acabaram por se juntar em 2000, fruto da briga voraz dos publishers ingleses e da disseminação do fabuloso advento da internet.

Se o senso de humor mordaz faz parte do “ser inglês”, não poderia deixar de ser diferente com as críticas dos álbuns. Alan Smith, um dos papas do jornalismo musical britânico, em 1968, intitulou sua resenha do White Album dos Beatles como “The Brilliant, the Bad, and the Ugly” – não perdoou John Lennon e sua Revolution #9, classificando-a como “exemplo pretensioso de imaturidade idiota”. Tenso, não?

E não era só os Fab Four que a imprensa malhava. No documentário It Might Get Loud, de Davis Guggenheim, a lenda viva Jimmy Page mostra seu descontentamento ao dizer que a crítica não entendia o som da banda, principalmente depois de darem uma resenha de um parágrafo para o disco IV – sim, o disco que tem Black Dog, Starway To Heaven e Rock N Roll. Um parágrafo!

[youtube width=”650″ height=”325″]http://www.youtube.com/watch?v=owmrpWyTdxQ [/youtube]

De qualquer forma, os registros estão todos aí e valem um bocado de diversão procurar o que a crítica falou do seu álbum favorito da sua banda predileta – mesmo que seja apenas pra ficar com aquela raivinha na ponta do estômago, sabe? Como assim um parágrafo para o disco IV?!

O livro Beijar o Céu, do jornalista Simon Reynolds, com seus textos da época de editor do Melody Maker e repórter da NME, entre outros veículos, conta muito dessas histórias. Esta à venda no Brasil, vale a pena!

 

Reading With the Ears

6 anos atrás ----- Sem categoria

.
Todo ano, quando o tempo começa a esfriar, a literatura toma conta das noites no Centro Brasileiro Britânico. Neste ano, o evento – chamado de Reading With the Ears – vai estar dentro Cultura Inglesa Festival.

Os anfitriões são sempre dois ilustres artistas que dão voz, em português e inglês, a famosas obras literárias das duas línguas – de Fernando Pessoa a Edgar Allan Poe.

O poeta e músico Arnaldo Antunes e o ator Francisco Cuoco são alguns dos nomes que já passaram por lá.

Nessa edição, o evento receberá o autor Robert Shearman, roteirista da série cult “Doctor Who”, o mais clássico programa de ficção científica do Reino Unido, e criador de inúmeros personagens que povoam livros, programas de rádio, TV e palcos de teatro americanos  britânicos.

Shearman lerá um trecho de uma de suas obras. Em seguida, o mesmo trecho será lido em português por um artista convidado. Um bom programa para treinar o ouvido!

.

Classificação: 16 anos


Espaço Cultura Inglesa – Itaim
Capacidade: 50 lugares
Rua Leopoldo Couto de Magalhães Jr., 748
.

✰ Quer conhecer melhor a obra de Robert Shearman? Vai rolar um bate-papo com o escritor na Livraria Cultura

Stanley Kubrick é o pai do Major Tom

6 anos atrás ----- Blog

[youtube width=”650″ height=”300″]http://www.youtube.com/watch?v=cYMCLz5PQVw[/youtube]

.
Sabia que David Bowie se inspirou em 2001: Uma Odisseia no Espaço para compor um de seus maiores hits?

“Space Oddity”, primeira faixa de seu primeiro disco tem influência total do filme de Stanley Kubrick.

Dentre arranjos de folk e rock progressivo, Bowie relata a história de um astronauta fictício, Major Tom, que é lançado ao espaço. A história é contada em diálogos entre Tom e o centro de controles na Terra.

A letra acompanha Tom da contagem regressiva à exploração espacial, até que há uma falha de comunicação. Problemas técnicos acontecem e os circuitos da nave sofrem perda total e o astronauta se perde no universo.

A produção do single foi feita às pressas para que pudesse ser lançado em julho de 1969, antecipando a missão Apollo 11 (aquela que levou os primeiros homens à Lua).

Hoje, “Space Oddity” é considerada uma das músicas de rock mais tristes e misteriosas já compostas. Misteriosa, pois Bowie não conta como Tom se solta no espaço, se por imprevisto ou vontade própria. Ouça acima!

.
Saiba +

Conheça o filme que inspirou a música: “2001 – Uma Odisséia no Espaço” será exibido no Festival dia 29 de maio

Veja mais como a Ficção Científica influenciou a cultura no UK na nossa programação