Web Content Viewer
Cultura Inglesa Chá com arte no Centro Brasileiro Britânico – Página: 3941 – Blog – Cultura Inglesa

Chá com arte no Centro Brasileiro Britânico

6 anos atrás ----- Blog

Quem entrar no CBB nos próximos dias vai se surpreender com paredes coloridas, frases flutuando no ar e quadros que vão causar um certo estranhamento.

É o 15º Cultura Inglesa Festival, que já chegou por lá espalhando arte e irreverência pelo prédio com três exposições inéditas. São obras de artistas brasileiros repletas de influências à arte e cultura britânica.

Não dá para passar reto! Uma parede amarela logo arrasta o visitante para a exposição Unfreeze. O ambiente está totalmente redecorado pelos jovens artistas que se juntaram para esta exposição: um carrinho de sorvetes, uma geladeira e mesas cobertas por toalhas xadrez.

“A gente vê o artista como agente”, conta o artista Theo Craveiro enquanto arruma sua obra Du Buffet. É uma barraca ambulante que o artista geralmente usa como museu para suas obras. Na festa de abertura do festival, o móvel se tornou o lugar dos petiscos (com o cardápio elaborado pelo próprio artista) e agora, novamente reinventado, vai carregar os registros daquela comemoração.

A ideia do grupo é justamente essa: o papel do artista vai muito além de assinar a obra. Pensando nisso, Amilton Santos, integrante do grupo, preparou outra bela recepção ao público. Quem foi ao CBB no sábado, entrou na obra Five’o Clock e pode apreciar um bom chá com biscoitos e “minúsculos sanduíches” (o cardápio, novamente, preparado pelo artista). Enquanto isso, rolou também um bate-papo com o artista sobre o sucesso do chá britânico!

.

Depois do chá

Na sala à frente, o silêncio é quase interrompido por frases que flutuam no ar. Em Um e Outro Silêncio, as palavras do dramaturgo Samuel Becket, cuidadosamente distribuídas na sala pelo artista Maurício Ianês, cativam o público com um misto de jogo e provocação e confundem os seus sentidos. Não deixe de passar por lá!

Suba as escadas e conheça as principais obras da Tate na exposição Reflecting the Collection… Se, talvez, você notar que algo está errado, tá tudo certo. É a ousadia do Paulo Almeida! O artista recriou obras da famosa galeria, mantendo as mesmas cores e proporções – só que invertendo as imagens. Veja!

Comments

comments