Web Content Viewer
Cultura Inglesa outubro 2011 – Blog – Cultura Inglesa

Mês: outubro 2011

Edital Cultura Inglesa – Como emplacar sua peça de teatro

6 anos atrás ----- Blog

A Serpente no Jardim

Apoiado três vezes pelo edital do Cultura Inglesa Festival, Alexandre Tenório possui várias dicas para quem quer se inscrever nesta edição!

Para ele, na categoria teatro o texto escolhido é muito importante, e é preciso uma familiaridade com a língua inglesa. Confira a entrevista:

.
Como nasceu a ideia da peça Blackbird?

Alexandre Tenório: Foi muito curioso, porque já estava bem no final da época de inscrição e eu não tinha nenhum projeto. Nada era muito interessante. Aí a Tina, que foi minha parceira neste e em outros projetos leu Blackbird. Ela me ligou, e eu passei na casa dela, lemos a texto e falei: vamos inscrever? Fizemos a tradução em dois dias! Inscrevemos o projeto, que deu certo muito em parte por causa do texto. Tinha muito a cara da Cultura Inglesa.

Qual foi a maior dificuldade na hora de adaptar um texto britânico?

Um grande problema é o acesso a textos ingleses. Apesar de haver muitos textos traduzidos, há milhões de textos incríveis que ainda não existem em português. Esse é um problema, e você tem que ter uma intimidade com a língua inglesa para pesquisar estes textos…

Qual a dica que você deixa para quem quer se inscrever nesta edição?

Acho que o texto que você escolhe é fundamental. Como o edital prioriza o texto contemporâneo, também é importante conhecer bem a língua, para entender o que está ali. E por fim, tem que ter um projeto que fale de verdade o que você quer fazer. Pode até ser uma coisa simples, mas tem que ser objetivo e mostrar o que você pretende de fato com aquele espetáculo.

.
Tem uma ideia de peça de teatro, dança, exposição ou curta-metragem? Ela pode estar no próximo Cultura Inglesa Festival.

Inscreva-se! O Edital se encerra no dia 8 de novembro.

O que é que Londres tem? Tailandês, arquitetura e futebol

6 anos atrás ----- Blog The Insider The Insider

Now I’ve been living in London for over four years now, still very much digging it, but what always provides a refreshed look at what the city has to offer is when friends come to stay, and best of all, when my little brother’s in town.

But (in his eyes) no London visit is complete without going for one of the Thai Vegplaces dotted round the city, a self service buffet of Thai food with dumplings, beef, chicken and prawn dishes (like the one in the picture above).

All very convincing in appearance and taste – it fooled a couple of my friends who didn’t even bat an eyelid – only it’s all made of soya and quorn, imitation.

You simply don’t find novel places like this in the little city my brother and I are from.

Anyway, last time he was down we checked out this amazing exhibition at Westminster University which my architect-cum-designer of a housemate had heard of, Vertical Works by the artist Anthony McCall. Set in a vast and very dark room, it consisted of four projections coming from the ceiling in a row, cones of light, thin strips which made gradually moving simple lines and shapes on the floor.

It was awesome, people were lying down in the light and looking up, and the reason that doing so was so mesmerising was that the room was filled with a thin layer of smoke, which formed swirling and fantastical shapes when it passed through the beams of light, giving you a brilliant 3D sense of the space. Pretty epic.

Following this, a little spaced out, we strolled over to Goodge Street and met another friend for a good cheap pizza. It was fascinating because the Man United v Arsenal FA Cup Final was on, yet you could hear the game fine as the place was half full of deaf people, all conversing enthusiastically in sign language, some of them through the window to their friends outside – fascinating to watch.

My brother was sad we didn’t see that there was a Thai Veg just a few doors down, sowe walked him through China Town and past Leicester Square, the land of all the film premiers, and rounded off the evening by going to a bar called Byron for an Oreo Cookie milkshake.

Check out Vertical Works here

http://www.anthonymccall.com/exhibitions.html

.

GLOSSARY

  • Hangin’ with my brethren: perhaps you know it, but ‘hanging out’ means like chilling, spending time with your friends for example, and brethren refers to your brothers, which can be used as slang to refer to your friends, though it’s not exactly common!
  • Digging it: slang for ‘liking it’
  • To go down a treat : to be a success with others, quite literally ‘for people to like you’
  • Bat an eyelid : to blink, in other words ‘to react’, always used in the negative way of saying that someone didn’t even respond to something
  • Architect-cum-designer: basically meaning an architect who has begun working more in the realm of design
  • Spaced out: chilled out, ‘not with it’, saturated

Dicas para quem quer se inscrever no Edital do 16CIF

6 anos atrás ----- Blog

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=dasB4-Z2bFw[/youtube]

.
Você está pensando em inscrever um projeto de teatro no edital do 16º Cultura Inglesa Festival?

A produtora e atriz Ester Lacava já foi apoiada em três ocasiões pelo edital e dá dicas para quem quer participar desta nova edição. Veja o vídeo acima!
.

Participe!

As inscrições para o edital do 16 CIF ficam abertas até dia 8 de novembro, ou seja, dê um gás!

Neste ano, R$ 500 mil serão distribuídos entre os 15 projetos selecionados, entre as categorias teatro adulto, teatro infantil, artes visuais, cinema digital e dança.

Inscreva-se!

 

Saiu o novo disco do The Kooks!

6 anos atrás ----- Blog

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=8pvHZ4ddR-4&ob=av2e[/youtube]

Uma trilha para esta sexta-feira?

A nossa sugestão é o novo e terceiro trabalho do The Kooks, “Junk of the Heart”, que já chegou às prateleiras brasileiras.

Para quem ainda não conhece a banda, já avisamos: essa música não vai mudar a sua vida. Mas ela pode deixar seu dia mais simpático.

O quarteto de Brighton tirou o nome de uma faixa do álbum Hunky Dory, do David Bowie, e, desde 2005, vem criando uma legião de fãs entre a turma do indie rock. Tudo sem muita pretensão e com bastante espontaneidade.

Uma das novas, Time Above The Earth, por exemplo, foi escrita pelo vocalista Luke Pritchard durante um vôo, no banheiro do avião, conforme ele contou em entrevista à NME. Detalhe: querendo acabar a canção, ele ficou trancado lá por duas horas!

Se você curtia os hits dos primeiros CDs, como Sofa Song e Naive, prepara-se para encontrar aqui um som um pouco menos acelerado. Nada que tenha impedido a banda de acertas mais uma vez nos seus bons refrões, que ora trazem um quê de Strokes, ora lembram o Artic Monkeys.

Alguns destaques são as faixas How´d You Like That , que anda fazendo sucesso pelas rádios britânicas, e Mr. Nice Guy, que tem direito até um “momento Twist and Shout”.

Como David Bowie já avisou em sua canção, “soon you’ll grow so take a chance with a couple of Kooks”! Ouça e divirta-se!

A volta do Stone Roses deixa até Liam Gallagher feliz

6 anos atrás ----- Blog

O mês de outubro está cheio de surpresas para os fãs da cena musical “Madchester”.

Depois da confirmação que a banda New Order passará pelo Brasil em dezembro, veio uma notícia aguardada desde 2005: Os Stone Roses estão de volta!

Os quatro integrantes da formação original, Ian Brown, John Squire, Reni e Mani, anunciaram o retorno para pelo menos dois shows, em 2012, além de trabalhos em estúdio para novas faixas.

O retorno era cogitado desde 2005, mas na ocasião o baixista Mani tratou de negar os rumores dizendo que a banda voltaria no dia em que o Manchester City ganhasse a Copa Europeia (piada similar à Libertadores para o Corinthians).

Mesmo sem o título, o anúncio do retorno foi feito (embora, diga-se, o City seja hoje líder do campeonato inglês).
.

Que dia feliz

A notícia da volta da banda deixou contente outro fã do time de Manchester: Liam Gallagher, ex-Oasis, postou em seu perfil no Twitter (@liamgallagher): “Stone roses getting back together not been this happy since my kids were born… LG” (em tradução com mais de 140 caracteres: “estou feliz com o retorno do Stone Roses como não ficava desde que meus filhos nasceram”).

Os dois shows anunciados serão realizados em Manchester, nos dias 29 e 30 de junho. Mais informações sobre a banda e o retorno podem ser encontradas no site oficial recém-lançado: http://www.thestoneroses.org/

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=4D2qcbu26gs[/youtube]

A canção “I Wanna Be Adored” é o maior sucesso da banda. E você? Gostou do retorno da banda? Quer ver eles aqui no Brasil? Comente!

TOP 5 – Frontmen de bandas britânicas

6 anos atrás ----- Blog Top 5

Grande parte do charme do rock britânico vem da presença de palco das bandas. Aliás, a postura dos grupos de rock da ilha da rainha influenciou estilo, moda e comportamento no mundo inteiro! Mas para uma banda ser marcante nos palcos, o trabalho de seu frontman é de suma importância.

Neste top 5, escolhemos os rockers que, com seu charme e energia, conquistaram multidões. Confira:

 

Thom Yorke

O líder do Radiohead conseguiu mobilizar uma base de fãs, apesar de não ser o estereótipo do rockeiro clássico. Aliás, por isso mesmo ele aparece na lista: suas “esquisitices”, aliado ao som único do Radiohead, o tornaram uma espécie de “guru do indie”. Quinta colocação pra ele!

 

Joe Strummer

O The Clash foi uma das principais bandas punk. Super-politizada, ela tinha, na força performática de seu vocalista, Joe Strummer uma capacidade enorme de trazer à tona questões importantes no cenário político britânico e internacional. E por trazer questões relevantes à cultura punk, sem perder o rebolado, Mr. Strummer ocupa nosso quarto lugar.

 

Morrissey

Este “homem charmoso” levou o The Smiths ao sucesso mundial. Além de grande compositor, Morrissey interpretava suas canções de uma maneira única, que inspirou gente em todo mundo, inclusive o nosso grande Renato Russo. A terceira posição é deste frontman que até hoje faz chover flores quando sobe ao palco (veja no vídeo abaixo).

 

Mick Jagger

Velho conhecido do showbiz, esse ícone do rock dispensa apresentações. Quando o assunto é gingado então, poucos britânicos se comparam a este Sir de 68 anos! Sim, 68!!! E sua presença no palco é tão contagiante que seria dele o primeiro lugar caso não existisse o frontman a seguir.

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=CZxhUxQTn6Q[/youtube]

 

Freddie Mercury

Esquisitices, estilo, originalidade, ânimo e uma voz poderosa. Some todos os pontos fortes dos quatro nomes listados acima e você terá o líder do Queen! Poucos artistas conseguiram conduzir e entreter uma multidão como ele. Sem dúvida, é dele a primeira posição. Aproveite para curtir a clássica performance de Freddie no Rock in Rio de 1985.

 

Gostou? Concorda com os nomes? Qual é seu Top 5? Deixe seu comentário!

.
Veja todos os Top 5 do site

Uma nova ordem musical: New Order vem aí!

6 anos atrás ----- Blog

.

.Foi confirmada a principal atração do Festival Ultra Music, que rola no dia 3 de dezembro no Sambódromo do Anhembi. Trata-se de ninguém mais, ninguém menos, que o grupo New Order, um dos precursores no uso de sintetizadores no rock’n’roll.

O New Order surgiu em 1980 com os membros restantes do Joy Division, após o suicídio do vocalista Ian Curtis,em maio do mesmo ano. Diante da tragédia, Peter Hook, Bernard Sumner, Stephen Morris e a sua namorada, a tecladista Gillian Gilbert, juntaram suas forças para formar uma das bandas mais populares dos tempos áureos do rock britânico, numa época em que havia The Smiths, The Cure, Happy Mondays, Echo & The Bunnymen e muitas outras no pedaço.

Com uma mistura de punk e dance music, a banda influenciou muita gente ao combinar diversas vertentes num só estilo, o New Wave.

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=aKlIHvOFTOk[/youtube]

Seu primeiro single foi Ceremony, que, de tão atual, fez até parte da trilha sonora moderninha do filme Maria Antonieta (2006). Mas seus grandes sucessos são mesmo Blue Monday (a primeira música com mais de 5 minutos a ficar em primeiro lugar nas paradas britânicas) , Bizarre Love Triangle e True Faith.

Esta será a segunda passagem da banda pelo Brasil, que tocou aqui em 2006, e infelizmente não contará com a presença do baixista Peter Hook, que saiu do grupo em 2007.

Confira aqui alguns singles do New Order. Uma boa pedida para animar qualquer festinha!

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=VyoDbX1EkPQ&feature=related[/youtube]
.

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=xS7tFKNlyXc[/youtube]
.

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=zzeNAUOp17c[/youtube]

 

O mundo de George Harrison: documentário expõe a vida do Beatle mais zen

6 anos atrás ----- Blog

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=AGMMXK-661M[/youtube]

Conhecido como o Beatle mais discreto, a vida e obra de George Harrison passou mais distante dos holofotes do que as de seus companheiros John Lennon e Paul McCartney.

No entanto, os fãs do compositor de Here Comes the Sun, Tax Man e Something agora poderão conhecer mais de perto o universo que circundava a vida desse tímido garoto de Liverpool, falecido em 2001.

Lançado no começo do mês nos Estados Unidos e na Inglaterra, o documentário George Harrison: Living in the Material World é dirigido por ninguém menos que Martin Scorsese, diretor de filmes como Taxi Driver, Os Infiltrados e Touro Indomável. No total, são 3h30 de imagens raras de arquivo, além de entrevistas com colaboradores e amigos de Harrison, como Paul McCartney, Ringo Starr, Yoko Ono, Eric Clapton, entre outros.

Uma das curiosidades pouco conhecida do público, e mostrada na película, é a história por trás do filme do Monty Python, “A vida de Brian”. De tão fã da trupe, George Harrison chegou a hipotecar sua casa só para garantir a produção do filme. De quebra, ainda fez uma ponta na história.

Produzido para o canal de TV HBO, o documentário já pode ser encontrado em DVD e Blu-ray.

Para quem está morrendo de curiosidade, veja o trailer acima!

Aproveite para conferir também a música “My Sweet Lord”, uma das mais famosas composições da carreira solo desse guitarrista que encantou muita gente:

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=wynYMJwEPH8[/youtube]

TOP 5 – Ruas do Rock

6 anos atrás ----- Blog Top 5

.
Quer conhecer Londres? A Cultura Inglesa preparou um roteiro especial, com as cinco mais famosas ruas do rock da cidade.

 

Portobello Road

Começamos a lista com a rua que representa a ponte entre a música inglesa e a brasileira. Portobello Road é uma das ruas de mais forte comércio de Londres, conhecida por suas casinhas de estilo vitoriano e uma feira semanal de antiguidades, discos, artesanato e moda. No fim dos anos 60, por sua posição contestadora durante o regime militar, Caetano Veloso foi censurado e exilado. Morou três anos em Londres, onde encontrou a Portobello Road como ponto de inspiração. A rua é citada em sua canção “Nine Out of Ten”, do disco “Transa”.
.

Berwick Street

Em quarto lugar, uma rua de mais de 300 anos. Berwick Street é famosa por sua feira secular, não de artesanatos, no caso, mas de alimentos mesmo, como temos por aqui durante a semana. Ela entra na lista por ter sido o cenário da capa do disco “(What’s The Story) Morning Glory?”, (foto acima), do Oasis, que marcou o rock dos anos 90.
.

Heddon Street

Independente do rock, Heddon Street é uma das ruas mais famosas de Londres. O comércio é forte, as iluminações natalinas são das mais famosas e muitas das construções foram idealizadas pelo arquiteto inglês John Nash, que, no século XVIII, foi um dos grandes responsáveis pelo visual monárquico da cidade. Uma rua tão suntuosa só poderia representar mesmo um dos álbuns mais suntuosos da história do rock – é rua da capa de “The Rise and Fall of Ziggy Stardust and The Spiders From Mars”, do David Bowie.
.

Denmark Street

Quem diria que uma rua tão curta e estreita seria tão significativa na história do rock? Foi nessa rua, também do século XVIII, em que os Rolling Stones, Donovan e Jimi Hendrix gravaram seus primeiros discos, Elton John compôs “Your Song” e Sex Pistols tinham um porão onde ensaiar. Em homenagem à rua, inclusive, o grupo The Kinks compôs uma canção em seu nome. Não à toa que um dos maiores agrupamentos de lojas de música fica justamente na Denmark Street.

Além disso, Denmark Street é a localização também da maior loja de quadrinhos e ficção científica de Londres, a Forbidden Planet.

 

Abbey Road

O primeiro lugar é da Abbey Road, claro, a rua que deu nome a um dos melhores discos dos Beatles e serviu também de cenário para a capa, onde eles atravessam a faixa de pedestres. Tamanha é sua fama, que a placa com o nome da rua teve de ser mudada de lugar, para onde passantes não alcançam, porque ela era frequentemente roubadas por fãs do quarteto (vide Simpsons acima).

A Abbey Road também é sede de um estúdio famoso, onde os Beatles mesmo gravaram a maioria de seus singles. Outras gravações por ali foram os discos do Pink Floyd dos anos 60 e 70 e as trilhas sonoras das trilogias “Star Wars” e “O Senhor dos Anéis”.

.
Veja todos os Top 5 do site

Lady Gaga, a nova Queen?

6 anos atrás ----- Blog

.


.

Parece que a banda britânica Queen está novamente tentando resolver seu problema em encontrar um vocalista desde a morte de Freddie Mercury, em 1991.

Até aí, nenhuma surpresa, caso a nova indicação não fosse ninguém mais, ninguém menos, que a cantora pop americana Lady Gaga. Esse namoro entre a Lady Gaga e a banda Queen não é de agora. Ela já teve a participação do guitarrista Brian May em seu single mais recente, Yoü and I, além de contar com sua poderosa guitarra em sua apresentação no VMA deste ano (veja a foto acima!).

De acordo com May, que junto com o baterista Roger Taylor são os únicos integrantes originais da banda, eles receberam várias ofertas para trabalhar com outras pessoas, mas Lady Gaga é uma forte candidata. “Ela é muito criativa. Não é apenas uma cantora, ela escreve seu próprio material”, diz May.

E participações nessas duas décadas sem Freddie nunca foram novidades para o Queen não! De Pavarotti a Robbie Williams, diversos cantores já brincaram de ser rei (ou rainha) por um dia.

Porém, agora é a vez de uma lady. Como você acha que será esse encontro de gerações?

Para relembrar, confira abaixo 5 participações imperdíveis em shows do Queen!

 

Queen + George Michael – Somebody To Love

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=mSKhIyQ5PpY&feature=related[/youtube]

 

Queen + Elton John – The Show Must Go On

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=cdE3p9V4eSY[/youtube]

 

Queen + Axl Rose – We Will Rock You

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=e63eoji1d0I&feature=relmfu[/youtube]

 

Queen + Robert Plant – Crazy Little Thing Called Love

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=VgCKs9qxO1Q[/youtube]

 

Queen + David Bowie & Annie Lennox – Under Pressure

[youtube width=”650″ height=”344″]http://www.youtube.com/watch?v=f9ICO-RfjAU&feature=relmfu[/youtube]